Tumores malignos da cabeça e pescoço - Experiência institucional com 2 anos de seguimento

Autores

  • S. Tavares Interno do Internato Complementar de ORL do Hospital Garcia de Orta, EPE
  • H. Rodrigues Interno do Internato Complementar de ORL do Hospital Garcia de Orta, EPE
  • C. André Assistente Hospitalar do Serviço de ORL do Hospital Garcia de Orta, EPE
  • V. Proença Assistente Hospitalar Graduado do Serviço de ORL do Hospital Garcia de Orta, EPE
  • J. Brito Mendes Chefe de Serviço do Serviço de ORL do Hospital Garcia de Orta, EPE
  • L. Antunes Director do Serviço de ORL do Hospital Garcia de Orta, EPE

DOI:

https://doi.org/10.34631/sporl.593

Palavras-chave:

cancro, cabeça e pescoço, sobrevivência, vigilância, seguimento

Resumo

Os tumores malignos da cabeça e pescoço são patologias prevalentes no nosso serviço e requerem uma avaliação multidisciplinar. O Objetivo deste trabalho é efetuar uma avaliação para comparação de dados com referências nacionais e internacionais e detectar os aspectos a melhorar ou a modificar na avaliação e no seguimento destes doentes.

Realizou-se um estudo retrospectivo dos doentes oncológicos desta área que iniciaram o primeiro tratamento oncológico em 2008 e 2009, num total de 111 casos. Avaliou-se a prevalência por sexo, idade, tipo histológico, localização e estadio da doença, bem como as abordagens terapêuticas efetuadas, as respostas terapêuticas obtidas, a sobrevivência global aos 2 anos e o intervalo livre de doença. Identificou-se a necessidade de existirem estudos mais amplos e homogéneos e melhorou-se a uniformização e a qualidade da colheita dos dados clínicos. Salientou-se ainda a necessidade de uma aposta na prevenção primária da doença junto da população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Stenson K, Brockstein B, Overview of head and neck cancer, UptoDate (online), Fev 2012, Acedido em fevereiro de 2012.

Poon C, Stenson K, Overview of the diagnosis and staging of head and neck cancer, UptoDate (online), Fev 2012, Acedido em fevereiro de 2012.

Carneiro B., et al, Overview of treatment for head and neck squamous cell cancer, UptoDate (online), Fev 2012, Acedido em fevereiro de 2012.

Edge SB, et al. American Joint Committee on Cancer Staging Manual. 7th Edition, Springer, New York; 2010.

Browning G., et al. Epidemiology of head and neck cancer. In: Scott-Brown‘s Otorhinolaryngology, Head and Neck Surgery, 7th Edition. London, Hodder Arnold; 2008: pp2343-2350.

Visscher AV, Manni JJ. Routine long-term follow-up in patients treated with curative intent for squamous cell carcinoma of the larynx, pharynx, and oral cavity. Does it make sense? Arch Otolaryngol Head Neck Surg 1994; 120:934-39.

Ritoe SC, de Vegt F, Scheike IM, et al. Effect of routine follow-up after treatment for laryngeal cancer on life expectancy and mortality: results of a Markov model analysis. Cancer 2007; 109:239-47.

Ritoe SC, Krabbe PF, Kaanders JH, et al. Value of routine follow-up for patients cured of laryngeal carcinoma. Cancer 2004; 101:1382-9.

Schwartz DL, Barker J Jr, Chansky K, et al. Postradiotherapy surveillance practice for head and neck squamous cell carcinoma - too much for too little? Head Neck 2003; 25:990-9.

Boysen M, Lövdal O, Tausjö J, Winther F. The value of follow-up in patients treated for squamous cell carcinoma of the head and neck. Eur J Cancer 1992;28:426-30.

Francis DO, Yueh B, Weymuller EA Jr, Merati AL. Impact of surveillance on survival after laryngeal cancer in the medicare population. Laryngoscope 2009; 119:2337-44.

Haas I, Hauser U, Ganzer U. The dilemma of follow-up in head and neck cancer patients. Eur Arch Otorhinolaryngol 2001; 258:177-83.

National Comprehensive Cancer Network®, NCCN Clinical Practice Guidelines in OncologyTM Head and Neck Cancer, V.2.2010

Saba N., et al, Posttreatment surveillance of head and neck cancer, UptoDate (online), Fev 2012, Acedido em fevereiro de 2012.

Como Citar

Tavares, S., Rodrigues, H., André, C., Proença, V., Brito Mendes, J., & Antunes, L. (1). Tumores malignos da cabeça e pescoço - Experiência institucional com 2 anos de seguimento. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 53(3), 155-160. https://doi.org/10.34631/sporl.593

Edição

Secção

Artigo de Revisão