Convalescença após amigdalectomia: Estudo comparativo entre dissecção clássica e com bisturi harmónico (Ultracision)

Autores

  • Joana Guimarães Interna de Formação Específica do Serviço de Otorrinolaringologia, Hospital de Braga, Portugal
  • Sérgio Vilarinho Assistente Hospitalar do Serviço de Otorrinolaringologia, Hospital de Braga, Portugal
  • Nuno Marçal Interno de Formação Específica do Serviço de Otorrinolaringologia, Hospital de Braga, Portugal
  • Filipa Moreira Interna de Formação Específica do Serviço de Otorrinolaringologia, Hospital de Braga, Portugal
  • Daniel Miranda Interno de Formação Específica do Serviço de Otorrinolaringologia, Hospital de Braga, Portugal
  • Rui Pratas Director do Serviço de Otorrinolaringologia, Hospital de Braga, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.34631/sporl.49

Palavras-chave:

amigdalectomia, técnica cirúrgica, morbilidade pós-operatória

Resumo

Introdução: Na população pediátrica a amigdalectomia é um dos procedimentos cirúrgicos mais frequentes. O facto de existirem diversas técnicas cirúrgicas e de poderem estar associadas a diferente morbilidade, continua a gerar discussão acerca de qual escolher. Nesse sentido, o objectivo deste trabalho é comparar a morbilidade pós-operatória de 2 técnicas de amigdalectomia: dissecção clássica e dissecção com bisturi harmónico.

Material e métodos: Estudo retrospectivo. Foram alternadamente seleccionados doentes submetidos a amigdalectomia por dissecção clássica e com bisturi harmónico, no Serviço de Otorrinolaringologia do Hospital de Braga, Portugal, entre Julho e Dezembro de 2011, num total de 40 doentes em cada grupo. Dados relativos à duração do internamento, complicações no pós-operatório imediato, data de introdução da dieta habitual e recurso ao serviço de urgência até ao 15º dia pós-operatório foram recolhidos e comparados.

Resultados: 80 crianças, entre os 3 e os 14 anos, idade média de 6 anos, 56% do sexo feminino. Foram submetidas a adenoamigdalectomia 73 crianças e a amigdalectomia 7 crianças. Não se verificaram complicações durante o internamento e todos os doentes tiveram alta no dia seguinte ao da cirurgia. Um número significativamente maior de doentes submetidos a amigdalectomia com bisturi harmónico (12/40 vs 1/40) recorreu ao serviço de urgência nos dias seguintes à cirurgia, por odinofagia ou hemorragia (p <0.05). O número de dias após cirurgia, em média, em que foi introduzida dieta habitual, foi também significativamente maior no grupo submetido a amigdalectomia com bisturi harmónico (7 dias vs 4 dias) (p <0.05).

Conclusões: O uso do bisturi harmónico na amigdalectomia mostrou neste estudo estar associado a maior morbilidade pós-operatória, verificando-se maior recurso ao serviço de urgência e maior demora na introdução de dieta habitual. Estes factores devem ser tidos em conta na indicação da técnica cirúrgica de amigdalectomia, principalmente na população pediátrica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ramos FA, Ferreira RDP, Silva RH, Prado EP. Estudo Comparativo entre duas técnicas de tonsilectomia: bisturi harmônico e dissecção tradicional com bisturi de lâmina fria. Rev. Bras. Otorrinolaringol. 2004;70:316-22.

Maddern BR. Electrosurgery for Tonsillectomy. Laryngoscope. 2002;112(8):100-2.

Salomone R, Visioli AJ, Aquino MM, Takahashi EN, et al. Tesoura Curva Ultrassônica na Realização de Amigdalectomia: Ensaio Clínico Comparativo entre esta Nova Técnica Cirúrgica e a Técnica com Bisturi de Lâmina Fria. Arq. Int. Otorrinolaringol. São Paulo;2007;11(4):444-52.

Steward DL, Chung SJ. The role of adjuvant therapies and techniques in tonsillectomy. Curr opin otolaryngol. Head and neck surgery. 2000;8(3):186-92.

Akural EI, Koivunen PT, Teppo H, Alahuhta SM, et al. Posttonsillectomy pain: a prospective, randomized and double-blinded

study to compare an ultrasonically activated scapel technic with the blunt dissection technic. Aneaesthesia. 2001;56(11):1045-50.

Ochi K, Ohashi T, Sugiura N, Komatsuzaki Y, et al. Tonsillectomy Using an Ultrasonically Activated Scapel. Laryngoscope. 2000;110(7):1237-8.

Leach J, Mannings S, Scheefer S. Comparison on two methods of tonsillectomy. Laryngoscope. 1993;103:619-22.

Pang YT, El-Hakim H, Rothera MP. Bipolar diathermy tonsillectomy. Clin. Otolaryngol. 1992;19:355-7.

Lassaleta L, Martin G, Villafruela MA, Bolânos C, et al. Pediatric tonsillectomy: post-operative morbidity comparing microsurgical bipolar dissection versus cold sharp dissection. Int. J. Pediatric. Otolaryngol. 1997;41:307-17.

Tay HL. Post-op morbidity in electrodissection tonsillectomy. J. Laryngol. Otol. 1995;109:209-11.

Wilson JT, Murray A, Mackenzie K. Prospective study of morbidity after tonsillectomy in children. Int. J. Pediatr. Otolaryngol.

;58:119-25.

Silveira H, Soares JS, Lima HA. Tonsillectomy: cold dissection versus bipolar electrodissection. Int. J. Pediat. Otolaryngol. 2003;67:345-51.

MacGregor FB, Albert DM, Bhattacharyya AK. Post-operative morbidity following paediatric tonsillectomy; a comparison of bipolar diathermy dissection and blunt dissection. Int. J. Ped. Otolaryngol. 1995;3:1-6.

Raut VV, Bhat N, Sinnathuray AR, Stevenson M, et al. Bipolar scissors versus cold dissection for pediatric tonsillectomy - a prospective, randomized pilot study. Int. J. Ped. Otolaryngol. 2002;64:9-15.

Hesham A. Bipolar diathermy versus cold dissection in paediatric tonsillectomy. Int. J. Ped. Otolaryngol. 2009;73:793-5.

Andréa M. Microsurgical Bipolar Cautery Tonsilectomy. Laryngoscope. 1993; 103:1177-8.

Sood S, Corbridge R, Powles J, Bates G, et al. Effectiveness of the ultrasonic harmonic scalpel for tonsillectomy. ENT - Ear, nose & Throat Journal. 2001;514-8.

D´Avila JS, Neto JCT, Antunes A. Microcirurgia de tonsilas com bisturi ultracision. 2001;5(4):172-4.

Como Citar

Guimarães, J., Vilarinho, S., Marçal, N., Moreira, F., Miranda, D., & Pratas, R. (1). Convalescença após amigdalectomia: Estudo comparativo entre dissecção clássica e com bisturi harmónico (Ultracision). Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 51(4), 243-247. https://doi.org/10.34631/sporl.49

Edição

Secção

Artigo Original