Lesões por arma de fogo em ORL

Autores

  • Marta Monteiro Interna do Internato Complementar de ORL, Serviço de ORL do Hospital Garcia de Orta Hospital Garcia de Orta, Almada, Portugal
  • Carla André Assistente Hospitalar de ORL, Serviço de ORL do Hospital Garcia de Orta Hospital Garcia de Orta, Almada, Portugal
  • Nuno Barbosa Assistente Hospitalar de Cirurgia Maxilo-Facial, , Serviço de ORL do Hospital Garcia de Orta Hospital Garcia de Orta, Almada, Portugal
  • Mário Santos Assistente Hospitalar Graduado de ORL, Serviço de ORL do Hospital Garcia de Orta Hospital Garcia de Orta, Almada, Portugal
  • Luís Antunes Director do Serviço de ORL, Serviço de ORL do Hospital Garcia de Orta Hospital Garcia de Orta, Almada, Portugal
  • João Marta Pimentel Ex-Director do Serviço de ORL, Serviço de ORL do Hospital Garcia de Orta Hospital Garcia de Orta, Almada, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.34631/sporl.273

Palavras-chave:

arma de fogo, Otorrinolaringologia

Resumo

O aumento da violência urbana determina a existência de um maior número de doentes com ferimentos por projécteis de armas de fogo a recorrerem aos Serviços de Saúde de Urgência. Os Profissionais de Saúde devem estar preparados para uma correcta e atempada resolução destes casos.

Os autores apresentam uma revisão bibliográfica sobre lesões por arma de fogo em Otorrinolaringologia (ORL), do diagnóstico à terapêutica, a propósito de vários casos observados no Serviço de Urgência ORL do Hospital Garcia de Orta.

Os autores pretendem salientar a necessidade do Otorrinolaringologista estar familiarizado com os procedimentos a ter nestes doentes, pois as lesões na face e pescoço podem condicionar elevada morbilidade e mesmo mortalidade, na medida em que existem múltiplas estruturas vitais nestas áreas anatómicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Amnistia Internacional, Núcleo de Estudos para a Paz do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra e Observatório Permanente sobre a Produção, o Comércio e a Proliferação de Armas Ligeiras da Comissão Nacional Justiça e Paz, www.amnistia-internacional.pt

Maisel RH, Hom DB, Blunt and PenetratingTrauma to the Neck, In: Cummings Otolaryngology Head and Neck Surgery, Elsevier Mosby 4ª Ed 2005, p.2525- 2539

Miranda JA, Borges MH, Mendes EA, Projéctil de Arma de Fogo como Corpo Estranho Nasal: Relato de Caso. Arquivos de ORL, 2006 ;10(4):98-105

Silva JJ, Machado RA, Nascimento MM, et al, lesões por arma de fogo em terço inferior de face de criança: Relato de caso. Rev Cir Traumat Buco-Maxilo-Facial, 2004;4:163-168

Bénateau H, Riscala S, Labbé D, Lésions faciales par arme à feu proposition d'une classification, Rev. Stomatol. Chir.maxillofac., 2001;102:129-132

Almeida FS, Pialarissi PR, Camanducaia JA, et al. Traumatismo crânio-facial por arma branca. Rev Bras Otorrinolaringol 2007;73(4):234-39

Balseris S, Einoriene D, Martinkenas JL, et al. Sinoorbital gunshot injuries Endoscopic diagnostics and management. Medicina (Kaunas) 2008; 44(4):308-312

Sonkhya N, Singhal P, Srivastava SP. Civilian firearm injuries in head and neck. Indian J Otolaryngol Head Neck Surg 2005;57:262-5

Hess U, Harms J, Schneider A, et al. Assessement of gunshot bullet injuries with the use of magnetic resonance imaging. J Trauma. 2000 Oct;49(4):704-9

Como Citar

Monteiro, M., André, C., Barbosa, N., Santos, M., Antunes, L., & Pimentel, J. M. (1). Lesões por arma de fogo em ORL. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 48(2), 97-99. https://doi.org/10.34631/sporl.273

Edição

Secção

Caso Clínico

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 3 4 > >>