Prevalência da congestão nasal em meio laboral hospitalar

Autores

  • B. Ferreira Gomez IDT, I.P. Delegação Regional do Centro – Unidade de Alcoologia de Coimbra
  • S. Massano Cardoso Instituto de Higiene e Medicina Social da Faculdade de Medicina, Coimbra
  • A. Arrobas Serviço de Pneumologia do Centro Hospitalar de Coimbra, E.P.E.
  • J. Gonçalves Dias SSST do Centro Hospitalar de Coimbra, E.P.E.

DOI:

https://doi.org/10.34631/sporl.222

Palavras-chave:

prevalência, congestão, nasal, hospitalar, Coimbra

Resumo

A congestão nasal é um sintoma extremamente comum que acompanha frequentemente os processos infecciosos virusais e a rinite alérgica, interferindo na qualidade de vida e na actividade profissional do doente, podendo levar a uma retracção significativa da interacção psicossocial. Apesar de escassos dados epidemiológicos do ponto de vista investigacional, o presente estudo pretendeu avaliar a prevalência da congestão nasal numa população de trabalhadores de três estabelecimentos hospitalares, Centro Hospitalar de Coimbra, E.P.E., Hospital Sobral Cid e IDT, I.P. Delegação Regional do Centro.

Metodologia: O estudo foi realizado durante os meses de Março, Abril e Maio de 2008. Foi utilizado um questionário para identificação de oito sintomas ocorridos nas duas últimas semanas e os sintomas ocorridos na última semana. O índice de congestão nasal foi calculado através da transformação das primeiras sete perguntas do questionário. Dos procedimentos estatísticos usados, destacam-se a estatística descritiva, Anova e análise da correspondência factorial; o nível de significância estatístico foi de p ≤ 0,05.

Resultados e conclusões: Dos questionários aplicados responderam 912 trabalhadores. Para as sete perguntas que definem o índice de congestão nasal, obteve-se um coeficiente de fiabilidade α de 0.873 e uma adequabilidade KMO de 0.892.

Após a transformação efectuada, foi elaborada uma reclassificação do índice de congestão nasal em quatro classes obtendo-se os seguintes resultados: 20,6% dos inquiridos não apresentou sintomatologia (classe A), 58,5% revelou sintomas ligeiros (classe B), 19% revelou congestão ligeira a moderada (classe C) e 2,2% referiu sintomatologia grave (classe D). O facto de 21,2% dos inquiridos referirem sintomatologia grave e moderada é sugestivo de que a prevalência da congestão nasal na população estudada é significativa.

Salienta-se a necessidade da precocidade do diagnóstico etiológico e tratamento deste sintoma tão frequente na prática clínica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Cadar A. Fisiologia nasal. Boletim dos Centros de Estudos do INAMPS, MG, 2(7):M-34: Jan/Mar 1980.

Carmo M, Bárbara C, Ferreira S, Branco J, et al... Avaliação da função dos músculos respiratórios em doentes com falência ventricular esquerda. Rev Port Pneumologia 2001, VII(6):455-462.

Roithmann R, Chapnik J. Obstrução nasal: Aspectos Gerais. www.scribd.com/doc/6539298/Obstrucao-Nasal-Livro-Art-Med Acedido em Agosto 2010.

Ferreira MB, Almeida MM, Cardoso SM et al.. Congestão Nasal em Portugal – Epidemiologia e Implicações. Rev Port de Otorrinolaringologia e Cirúrgia Cérvico-Facial 2008;46:151-60.

Bousquet J, Van Cauwenberge P, Khaltaev N, Aria Workshop Group; World Health Organization. Allergic rhinitis and its impact on asthma. J Allergy Clin Immunol 2001;108(Suppl):S147-334.

Dykewicz MS, Fineman S, Skoner DP, et al.. Diagnosis and managment of rhinitis: complete guidelines of the Joint Task Force on Practice Parameters in Allergy, Asthma and Immunology. Ann Allergy Asthma Immunol 1998;81:478-518

Togias A. Unique mechanistic features of allergic rhinitis. J Allergy Clin Immunol 2000;105:S599-604.

Immunology and Allergy Clinics of North America 20: Number 2, May 2000.

Teles de Araújo T. ONDR – Relatório do Observatório Nacional das Doenças Respiratórias 2007. www.ondr.org/relatorios_ondr.html Acedido em Agosto 2010.

Strachan D, Sibbald B, Weiland S, et al.. Worldwide variations in prevalence of symptons of allergic rhinoconjuntivitis in children: the International Study of Asthma and Allergy in Childhood (ISAAC). Pediatr Allergy Immunol 1997;8:161-76

Cruz AA, Popov T, Pawankar R, et al.. ARIA Initiative Scientific Committee. Common characteristics of upper and lower airways in rhinitis and asthma: ARIA update, in collaboration with GA(2)LEN. Allergy 2007;62(Suppl.84):1-41.

Shedden A. Impact of nasal congestion on quality of life and work productivity in allergic rhinitis: findings from a large online survey. Treat Respir Med 2005;4:439-46.

Teles de Araújo A. Ambiente Urbano e Saúde – A Cidade, o Clima e os Cidadãos. Sociedade Port de Pneumologia 2000;5-160.

Leynaert B, Bousquet J, Neukirch C, et al.. Perennial rhinitis: an independent risk factor for asthma in nonatopic subjects: results from the European Community Respiratory Health Survey. J Allergy Clin Immunol 1999;104:301-4.

Linneberg. BMJ 2005:331.352 (letter).

Loureiro Graça. Rinite ocupacional: Dificuldades no diagnóstico e enquadramento epidemiológico. Rev. Port. Imunoalergologia 2008:16 (1): 7-27.

Van Kampen V, Merget R, Baur X. Occupational airway sensitizers: an overview on the respective literature. Am J Ind Med 2000; 38:164-218.

Nunes C, Ladeira S, Rosado Pinto JE. Definição, Epidemiologia e classificação da asma na criança. In: Rosado-Pinto JE, Morais-Almeida M (Eds.) A Criança Asmática no Mundo da Alergia. Algés: Euromédice, Edições Médicas Lda; 2003:pp35-55.

Caminha G. Pilla. Avaliação da Função nasal em indivíduos expostos ao TXIB; www.lume.ufrgs.br/handle/10183/7353 Acedido em Agosto 2010

Udaka T, Suzuki H, Fujimura T et al.. Relationships between nasal obstruction, observed apnea and daytime sleepiness. Otolaryngol Head Neck Surg 2007;137:669-73.

Bousquet J, Bullinger M, Fayol C, et al.. Assessment of quality of life in patients with perennial allergic rhinitis with the French version of the SF-36 Health Status Questionnaire. J Allergy Clin Immmunol 1994;94:182-8.

Marshall PS, O’Hara C, Steinberg P. Effects of seasonal allergic rhinitis on selected cognitive abilities. Ann Allergy Asthma Immunol 2000;84:403-10.

Young T, Peppard PE, Gottlieb DJ. Epidemiology of obstructive sleep apnea. Am J Respir Crit Care Med 2002;165:1217-39.

Morais-Almeida M, Nunes C, Gaspar A, et al.. Rinite em idade pré-escolar: prevalência e caracterização. Estudo ARPA Kids. Rev Port Imunoalergologia 2007;15:387-410.

Morais-Almeida M, Nunes C, Loureiro C, et al.. Prevalência de sintomas de rinite em estudantes portugueses dos 15 aos 25 anos - Estudo ARPA. Rev Port Imunoalergologia 2006;14(supl.1):3-12.

Morais-Almeida M, Loureiro C, Todo-Bom A, et al.. Avaliação da prevalência e caracterização da rinite em utentes dos cuidados de saúde primários de Portugal Continental – Estudo ARPA. Rev Port Imunoalergologia 2005;13(supl.2):3-14.

Todo-Bom A, Loureiro C, Morais-Almeida M, et al.. Epidemiology of rhinitis in Portugal: evaluation of the intermittent and the persistent types. Allergy 2007;62:1038-43.

Maurer M, Zuberbier T. Undertreatment of rhinitis symptoms in Europe: findings from a cross-sectional questionnaire survey. Allergy 2007;62:1057-63.

Reed SD, Lee TA, McCrory DC. The economic burden of allergic rhinitis: a critical evaluation of the literature. Pharmacoeconomics 2004;22:345-61.

Nathan RA. The burden of allergic rhinitis. Allergy Asthma Proc 2007;28: 3-9.

Asahi S, Uehara R, Watanabe M, et al.. Respiratory symptoms correlating to smoking prevalence: the National Nutrition Survey and the National Lifestyle Survey in Japan. J Epidemiol 2003;13:226-31.

Akerlund A, Millqvist E, Oberg D, Bende M. Prevalence of upper and lower airway symptoms: the Skövde population-based study. Acta Otolaryngol 2006;126:483-8.

Fraga S, Sousa S, Santos AC, et al.. Tabagismo em Portugal Arq Med 2005;19:207-29.

Philpott CM, El-Alami M, Murty GE. The effect of steroid sex hormones on the nasal airway during normal menstrual cycle. Clin Otolaryngol Allied Sci 2004;29:138-42.

Ieda M,Lenina M. Pesquisa da presença de receptores para estrógenio tipos alfa e beta na mucosa de conchas nasais inferiores através do método imunohistoquímico. ACTA 2007;25(3):173.

Como Citar

Ferreira Gomez, B., Massano Cardoso, S., Arrobas, A., & Gonçalves Dias, J. (1). Prevalência da congestão nasal em meio laboral hospitalar. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 48(3), 123-130. https://doi.org/10.34631/sporl.222

Edição

Secção

Artigo Original