Desenvolvimento da linguagem em crianças com implante coclear e influência da idade de implantação

Autores

  • Marisa Alves Terapeuta da Fala no Serviço ORL do Centro Hospitalar de Coimbra, Portugal
  • Daniela Ramos Terapeuta da Fala no Serviço ORL do Centro Hospitalar de Coimbra, Portugal
  • Helena Alves Terapeuta da Fala no Serviço ORL do Centro Hospitalar de Coimbra, Portugal
  • Jorge Humberto Martins Audiologista no Serviço ORL do Centro Hospitalar de Coimbra, Portugal
  • Luís Silva Especialista ORL no Centro Hospitalar de Coimbra, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.34631/sporl.16

Palavras-chave:

Implante Coclear, Surdez, Desenvolvimento da Linguagem, Teste de Avaliação da Linguagem na Criança

Resumo

Introdução: O implante coclear permite proporcionar estimulação auditiva a indivíduos com surdez neurossensorial profunda bilateral sem benefícios com aparelhos auditivos eletroacústicos. Este dispositivo constitui-se como um elemento facilitador do desenvolvimento da linguagem verbal oral em crianças com surdez neurossensorial profunda congénita. No entanto, o desenvolvimento linguístico das crianças utilizadoras de implante coclear apresenta diferenças relativamente ao das crianças normo-ouvintes. Os principais objectivos do presente estudo foram a investigação relativamente à evolução do desempenho de crianças utilizadoras de implante coclear a nível linguístico ao longo do tempo e à influência da idade de implantação nessa evolução.

Material e métodos: Estudo do desenvolvimento da linguagem verbal oral em crianças com surdez profunda neurossensorial bilateral congénita implantadas entre os 19 e os 60 meses de idade no Centro Hospitalar de Coimbra. O instrumento de avaliação utilizado foi o Teste de Avaliação da Linguagem na Criança. A amostra foi dividida em 4 grupos, tendo em conta a idade no momento da implantação coclear: antes dos 25 meses, entre os 25 e os 36 meses, entre os 37 e os 48 meses e após os 48 meses.

Resultados: Procedeu-se à comparação dos resultados entre os diferentes grupos de crianças implantadas, bem como à comparação destes com os dados normativos existentes para a população normo-ouvinte. O grupo de crianças implantadas com melhores resultados finais e com uma curva evolutiva mais próxima dos dados normativos existentes foi o grupo com implantação mais precoce. Não foram encontradas diferenças estatisticamente significativas entre os grupos em estudo.

Conclusão: Os resultados deste estudo apontam para um efeito positivo da precocidade da implantação a nível do desenvolvimento da linguagem e estão de acordo com os resultados encontrados na literatura internacional. Trabalhos futuros deverão englobar uma amostra maior e a avaliação de outros aspectos do desenvolvimento infantil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Niparko JK, Tobey EA, Thal DJ, Eisenberg LS, et al. Spoken Language Development in Children Following Cochlear Implantation. J Am Med Assoc. 2010;303(15).

Sininger YS, Grimes A, Christensen E. Auditory Development in Early Amplified Children: Factors Influencing Auditory-Based Communication Outcomes in Children with Hearing Loss. Ear Hear. 2010;31(2):166-185.

Connor CM, Craig HK, Raudenbush SW, Heavner K, et al. The Age at Which Young Deaf Children Receive Cochlear Implants and Their Vocabulary and Speech-Production Growth: Is There an Added Value for Early Implantation? Ear Hear. 2006;27(6):628-644.

Monfort M, Sánchez AJ. Rehabilitación e intervención pedagógica. In: M. J. Manrique Rodríguez AHI (Ed.) Implantes Cocleares. Barcelona: Masson; 2002.

Kim L-S, Jeong S-W, Lee Y-M, Kim J-S. Cochlear implantation in children. Auris Nasus Larynx. 2010;37(1):6-17.

Vlastarakos PV, Proikas K, Papacharalampous G, Exadaktylou I, et al. Cochlear implantation under the first year of age - The outcomes. A critical systematic review and meta-analysis. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2010;74(2):119-126.

Holt RF, Svirsky MA. An Exploratory Look at Pediatric Cochlear Implantation: Is Earliest Always Best? Ear Hear. 2008;29(4):492-511.

Sharma A, Dorman MF, Kral A. The influence of a sensitive period on central auditory development in children with unilateral and bilateral cochlear implants. Hear Res. 2005;203:134-143.

Hayes H, Geers AE, Treiman R, Moog JS. Receptive Vocabulary Development in Deaf Children with Cochlear Implants: Achievement in an Intensive Auditory-Oral Educational Setting. Ear Hear. 2009;30(1):128-135.

Fortunato CAdU, Bevilacqua MC, Costa MdPRd. Análise comparativa da linguagem oral de crianças ouvintes e surdas usuárias de implante coclear. Revista CEFAC. 2009;11(4).

Dettman SJ, Pinder D, Briggs RJS, Dowell RC, et al. Communication Development in Children Who Receive the Cochlear Implant Younger than 12 Months: Risks versus Benefits. Ear Hear. 2007;28:11S-18S.

Stuchi RF, Nascimento LTd, Bevilacqua MC, Neto RVdB. Linguagem oral de crianças com cinco anos de uso do implante coclear. Pró-Fono Revista de Atualização Científica. 2007;19(2).

Flipsen P, Colvard LG. Intelligibility of conversational speech produced by children with cochlear implants. J Communicat Dis. 2006;39:93-108.

Nicholas JG, Geers AE. Effects of Early Auditory Experience on the Spoken Language of Deaf Children at 3 Years of Age. Ear Hear. 2006;27(3):286-298.

Martins JH, Alves M, Andrade S, Januário J, et al. (Re)habilitação auditiva através de Implante Coclear: Avaliação audiológica, da linguagem, fala e voz (estudo preliminar). Rev Port ORL. 2008;46(4).

Giusti E, Befi-Lopes DM. Tradução e adaptação transcultural de instrumentos estrangeiros para o Português Brasileiro. Pró-Fono Revista de Atualização Científica. 2008;20(3).

Kay ES, Tavares MD. Teste de Avaliação da Linguagem na Criança. Lisboa: Oficina Didáctica; 2006.

Tsiakpini L, Weichbold V, Kühn-Inacker H, Coninx F, et al. Questionario Auditivo Littlears - manual: Med’el; 2003.

Como Citar

Alves, M., Ramos, D., Alves, H., Martins, J. H., & Silva, L. (1). Desenvolvimento da linguagem em crianças com implante coclear e influência da idade de implantação. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 51(2), 81-86. https://doi.org/10.34631/sporl.16

Edição

Secção

Artigo Original

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 > >>