Atrésia das coanas - A prática no Centro Hospitalar de Coimbra

Autores

  • José Santos Oliveira Interno do Serviço de Otorrinolaringologia do Centro Hospitalar de Coimbra, Portugal
  • Conceição Peixoto Interno do Serviço de Otorrinolaringologia do Centro Hospitalar de Coimbra, Portugal
  • Susana Andrade Interno do Serviço de Otorrinolaringologia do Centro Hospitalar de Coimbra, Portugal
  • Raquel Ferreira Interno do Serviço de Otorrinolaringologia do Centro Hospitalar de Coimbra, Portugal
  • Felisberto Maricato Assistente Graduado do Serviço de Otorrinolaringologia do Centro Hospitalar de Coimbra, Portugal
  • Jorge Quadros Assistente Graduado do Serviço de Otorrinolaringologia do Centro Hospitalar de Coimbra, Portugal
  • Carlos Ribeiro Director do Serviço de Otorrinolaringologia do Centro Hospitalar de Coimbra, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.34631/sporl.117

Palavras-chave:

Atrésia, coana

Resumo

Introdução: A atrésia das coanas (AC) é uma obstrução congénita dos orifícios nasais posteriores, rara. O objectivo deste trabalho é realizar um estudo retrospectivo dos doentes orientados no HP-CHC (Hospital Pediátrico do Centro Hospitalar de Coimbra), para caracterizar o grupo de crianças tratadas, avaliar os resultados comparando-os com a literatura, bem como analisar possíveis factores preditivos de insucesso.

Material e métodos: Estudo retrospectivo de nove crianças intervencionadas entre Agosto de 2005 e Agosto de 2010.

Resultados: Em termos epidemiológicos, cinco doentes são do sexo feminino e quatro do sexo masculino. Encontramos cinco casos de bilateralidade e quatro de unilateralidade, sendo todos à direita. Relativamente ao tipo de obstrução, sete casos eram do tipo misto e dois do tipo ósseo. Verificamos uma associação a Síndrome de Charge e outra a Síndrome de Treacher-Collins. A idade à data da intervenção cirúrgica variou entre 6-28 dias na bilateralidade e entre 4-8 anos na unilateralidade. A técnica cirúrgica usada foi a transnasal, com o emprego de “stent” de silastic e aplicação de mitomicina C. O seguimento foi realizado de forma quinzenal, com espaçamento progressivo. Constatámos três recidivas, com necessidade de intervenção cirúrgica.

Conclusões: Trata-se de uma patologia rara, tendo os nossos resultados epidemiológicos e interventivos, semelhanças com a restante literatura. O nosso estudo aponta a idade precoce à altura da intervenção como um factor preditivo de restenose.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Assanasen P, Metheetrairut C. Choanal Atresia. J Med Assoc Thai, 2009;92(5):699-06.

Corrales CE, Koltai PJ. Choanal atresia : current concepts and controversies. Current Opinion in Otolaryngology & Head and Neck Surgery. 2009;17:466-70.

Hengerer AS, Brickman TM, Jeyakumar A. Choanal Atresia: Embryologic Analysis and Evolution of Treatment, a 30-Year

Experience. Laringoscope, 2008;118:862-6.

Fulmer RP, Calhoun KH, Francis JBQ. Choanal Atresia. Dept. of Otolaryngology, UTMB, Grand Rounds, 1991.

Mantovani M, Mosca F, Laguardia M, Di Cicco M, Pignataro L. A new dynamic endonasal stent for bilateral congenital choanal atresia. Acta Otorhinolatyngol Ital. 2009;29:209-12.

Stanley H. Chia, Daniela S. Carvalho, Debra M. Jaffe, Seth M. Pransky. Unilateral choanal atresia in identical twins:

case report and literature, International Journal of Pediatric Otorhinolaryngology, 2002;62:249–52.

Vatansever U, Duran R, Acunas B, Koten M, Adali MK. Bilateral Choanal Atresia in Premature Monozygotic Twins. Journal of Perinatology, 2005;25:800-2.

Andrade EC, S. Junior V, Didoni ALS, Freitas PZ, Carneiro AF, Yoshimoto FR. Síndrome de Trecher Collins com atrésia coanal: relato de caso e revisão de suas características. Rev Bras Otorrinolaringol, 2005; 71(1):1007-10.

Burrow TA, Saal HM, de Alarcon A, et al. Characterization of congenital anomalies in individuals with choanal atresia. Arch Otolaryngol Head Neck Surg, 2009; 135:543–7.

Brown O.E., Pownell P., Manning S.C., Choanal atresia: a new anatomic classification and clinical management applications. Laryngoscope, 1996; 106:97–101.

Dupe V, Matt N, Garnier JM, et al. A newborn lethal defect due to inactivation of retinaldehyde dehydrogenase type 3 is prevented by maternal retinoic acid treatment. Proc Natl Acad Sci USA, 2003; 100:14036–41.

Al-Ammar AY. Effect of Use of Mitomycin C on the Outcome of Choanal Atresia Repair. Saudi Medical Journal, 2007;28(10):1537-40.

Josephson GD, Vickery CL, Giles WC, Gross CW. Transnasal Endoscopic Repair of Congenital Choanal Atresia. Arch Otolaringol Head and Neck Surg, 1998; 124:537-40.

Romero GP, Cano-Cortés TM, Pinto JMP, Ruiz GT, Palomino,Hernández CP, Huelva AB. Tratamiento de la atrésia de coanas por vía endoscópica. Act Otorrinolaringol Esp, 2007;58(1):34-6.

Teissier N, Kaguelidou F, Couloigner V, François M, Abbeele TVD. Predictive Factors for Success After Transnasal Endoscopic Treatment of Choanal Atresia. Arch Otolaringol Head and Neck Surg, 2008;134(1):57-61.

Como Citar

Oliveira, J. S., Peixoto, C., Andrade, S., Ferreira, R., Maricato, F., Quadros, J., & Ribeiro, C. (1). Atrésia das coanas - A prática no Centro Hospitalar de Coimbra. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 50(3), 229-233. https://doi.org/10.34631/sporl.117

Edição

Secção

Artigo de Revisão

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

<< < 1 2 3 > >>